Operação Lava Jato sofre a maior derrota de sua história no STF

Operação Lava Jato sofre a maior derrota de sua história no STF

Pelo placar apertado de 6 a 5, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, em sessão concluída nesta quinta-feira (14), que crimes eleitorais como o caixa 2 cometidos em conexão com outros crimes, como corrupção e lavagem de dinheiro, devem ser enviados à Justiça Eleitoral. 
O resultado representa uma derrota para a Operação Lava Jato, para os procuradores da operação, como Deltan Dallagnol e o ex-juiz e atual ministro da Justiça Sérgio Moro, que defendiam o fatiamento dos processos com a Justiça Comum.

 A força-tarefa da Lava Jato já havia sofrido um revés esta semana, com a manifestação contrária de Raquel Dodge, procuradora-geral da República, à criação de um fundo particular, que deveria gerir R$ 2,5 bilhões da Petrobras.

 Na sessão desta quinta, alguns ministros criticaram veementemente os procuradores. Gilmar Mendes, em seu voto, sugeriu que o objetivo dos procuradores seria pegar dinheiro da Petrobras para fazer fundo eleitoral.

 “Sabe-se lá o que podem estar fazendo com esse dinheiro”, declarou. “Isto é um modelo ditatorial. Se eles estudaram em Harvard, são uns cretinos, não sabem o que é processo civilizatório”, ressaltou.

Os votos
 Os ministros que votaram favoravelmente para enviar os processos para a Justiça Eleitoral foram: Marco Aurélio Mello (relator), Alexandre de Moraes, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli, presidente do STF. Para dividir os processos: Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

Desempate
 O julgamento foi desempatado pelo ministro Dias Toffoli, presidente da Corte, que declarou  que sua posição sempre foi a mesma, de manter a jurisprudência do STF, por isso, acompanhava o relator.

 “Todos aqui estamos unidos no combate a corrupção. Tanto que são raros os casos de reversão de algum processo, de alguma condenação, de alguma decisão. Todos também estamos aqui na defesa da Justiça Eleitoral”, afirmou Toffoli.

Leia mais no Infomoney

    Compartilhe: