MP pede abertura de novo inquérito contra ministro do Turismo por caixa 2

MP pede abertura de novo inquérito contra ministro do Turismo por caixa 2

O MPE (Ministério Público Eleitoral) pediu que a Justiça determine a abertura de 1 novo inquérito contra o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, por suposto uso de caixa 2 em sua campanha a deputado pelo PSL, em 2018.

O ministro já é alvo de inquérito que apura esquema de candidaturas de laranjas do PSL em Minas Gerais para desviar verba pública da legenda.

Nesta 4ª feira (9.out.2019), duas novas testemunhas prestaram depoimento à PF (Polícia Federal). A informação foi divulgada pelo Jornal Nacional, da TV Globo.

As testemunhas tratam-se de duas mulheres que trabalharam na campanha de Marcelo Álvaro Antônio para deputado federal, em Conselheiro Lafaiete (MG).

“Eu ficava no gabinete e também panfletava com as meninas nas ruas em prol dessa campanha dele”, afirmou uma das mulheres. Ela preferiu não identificar na reportagem.

Segundo o jornal, as duas mulheres teriam sido contratadas por Ivanete Nogueira, vice presidente do PSL na cidade e responsável pela equipe de trabalho da campanha de Marcelo no local.

Ao Jornal Nacional, Ivanete, que, já prestou depoimento para a Polícia Federal, disse que pelo menos parte da campanha do ministro em Conselheiro Lafaiete foi paga via caixa 2. Ela disse que recebeu R$ 17 mil em dinheiro para efetuar os pagamentos em uma caixa de papel e que negociou direto com Marcelo.

“Eu estive no gabinete dele, do Marcelo e tratei tudo com ele para coordenar a campanha dele em Conselheiro Lafaiete”, afirmou.

Em nota, o ministro Marcelo Álvaro Antônio disse que “seguiu rigorosamente as regras eleitorais, sendo que todos os gastos foram devidamente declarados à Justiça Eleitoral”.

Eis a íntegra da nota do ministro do Turismo:

“De tudo que está sendo posto, extraí-se, mais uma vez, uma nítida tentativa de macular a imagem de um homem público com histórico de vida pautado pela retidão e pela probidade.

A campanha eleitoral de Marcelo Álvaro Antônio ao cargo de Deputado Federal seguiu rigorosamente as regras eleitorais, sendo que todos os gastos foram devidamente declarados à Justiça Eleitoral. A propósito, deve ser registrado que as referidas contas de campanha foram devidamente aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Estado de Minas Gerais.

É de conhecimento público e notório que as Eleições Gerais de 2018 contemplavam a disputa para preenchimento de vários cargos de mandato eletivo, entre eles 02 (duas) vagas de Senador, Governador e Vice-governador, Presidente da República e Vice-Presidente da República, Deputados Estaduais e Deputados Federais. É público e notório que os materiais de campanha são realizados contendo propaganda para todos os cargos, com indicação de nome e número de urna, consistindo nas chamadas “dobradinhas”. Eventualmente pode ter ocorrido a distribuição e panfletagem, por parte das pessoas mencionadas, de algum material gráfico contendo a imagem de Marcelo Álvaro como candidato ao cargo de Deputado Federal.

Tais narrativas mencionadas, curiosamente, retratam as mesmas assertivas expressadas pela Senhora Ivanete. Resta provado que ela trabalhou para o candidato a Deputado Estadual Celso Mesquita, e que eventualmente ocorreu a distribuição e panfletagem, por parte da Senhora Ivanete, de algum material gráfico consistente nas chamadas “dobradinhas”, nele contendo a imagem do então candidato a Deputado Estadual Celton Mesquita e de Marcelo Álvaro como candidato a Deputado Federal.”

Leia mais no Poder360

    Compartilhe: