MEC lança lista de compromissos para a educação básica

MEC lança lista de compromissos para a educação básica

O Ministério da Educação (MEC) lançou nesta quinta-feira (11) uma carta-compromisso com objetivos para a educação básica até 2022, além de uma meta-geral para os próximos 12 anos. Chamado Compromisso Nacional pela Educação Básica, o documento deverá ser usado como um plano estratégico para as políticas da pasta.

O texto inclui pontos como a construção de 4.900 creches até 2022, ampliação da carga horária de escolas públicas para diminuir a evasão escolar, acesso à internet em escolas rurais, implantação de colégios cívico-militares e formação de professores da educação básica por meio de ensino à distância.

O secretário de Educação Básica do MEC, Jânio Carlos Endo Macedo, reconheceu que boa parte da carta-compromisso repete ou expande programas que já tinham sido criados e implementados em gestões anteriores.

Prioridades do documento

O documento, debatido com secretários estaduais e municipais da área, inclui:

Tornar o Brasil referência em educação básica na América Latina até 2030

Construir 4,9 mil creches até 2022, reestruturando o programa Pró-Infância. Segundo o MEC, menos de 50% das obras previstas foram concluídas desde 2007.

Revitalizar o programa Novo Mais Educação, ampliando a carga horária dos colégios públicos para -diminuir a evasão e melhorar indicadores educacionais-.
Estimular a adesão ao Novo Ensino Médio, com investimentos de R$ 230 milhões até o fim do ano.

Conectar 6,5 mil escolas rurais em todos os estados à internet, com banda larga por satélite. O MEC prevê investimento de R$ 120 milhões até dezembro, beneficiando 1,7 milhão de estudantes.

Implementar 108 escolas cívico-militares no país até 2023. Segundo o MEC, o ritmo será de 27 ao ano – uma para cada unidade da Federação. Nesse modelo, a gestão da escola é compartilhada entre professores, na parte pedagógica, e militares, em administração e disciplina.

Estabelecer trilhas de formação de professores da educação básica até 2020, por meio de -cursos de ensino à distância com a disponibilização e materiais de apoio e disponibilização de recursos-.

Educação básica no foco

Desde que assumiu o governo, o presidente Jair Bolsonaro indicou que daria prioridade ao ensino básico, criticando uma suposta ênfase de governos anteriores no ensino superior. Até o momento, no entanto, as diretrizes da gestão não estavam claras.

Em maio, quando assumiu o MEC após a demissão do ex-ministro Ricardo Vélez Rodríguez, Weintraub foi ao Senado apresentar os pontos prioritários de gestão. Na ocasião, ele destacou a educação básica, a atenção a resultados e o reconhecimento por mérito, mas sem prazos definidos.

Nesta quinta, o ministro disse que a discussão das propostas com estados e municípios já somava 70 dias.

Para além do plano

Ao apresentar o compromisso nacional, Weintraub citou outros pontos que não estão no texto mas que, segundo ele, seriam importantes para uma mudança de cenário na educação pública.

Leia mais no  Camisa Dez 

    Compartilhe: