João: Prosseguir com impeachment seria golpe



O governador João Azevêdo (Cidadania) endossou, na manhã desta segunda-feira (10), a fala do deputado federal Damião Feliciano (PDT), que em entrevista ao Hora H, da Rede Mais de Rádio, transmitido em João Pessoa pela Rádio POP FM (89.3) na última sexta-feira (07), tratou como -golpe- o pedido de impeachment contra o gestor estadual e a vice-governadora Lígia Feliciano (PDT).

-Ele [Damião] fez uma leitura correta do processo. O processo é desprovido de qualquer substância. Primeiro que não se faz impeachment de duas pessoas ao mesmo tempo, seria algo inusitado. Segundo, para que haja um processo de impeachment é preciso ter crime de responsabilidade, e isso não existe. É desprovido de qualquer condição jurídica, aquilo é uma excrescência-, disse.

Azevêdo disse, porém, esperar no arquivamento do processo e tratou como -golpe- caso o pedido tenha andamento na Casa de Epitácio Pessoa.

-Cabe e depende das atitudes do prosseguimento que serão dados, para saber se será algo pontual ou se realmente existe um grupo ou alguém interessado naquilo. A leitura em relação a peça está correta, nós vamos avançar na certeza que aquilo [processo] será arquivado. Adriano Galdino [presidente da ALPB] tem a verdadeira noção do que é aquilo e o que representa para democracia. Caso houvesse prosseguimento, haveria um golpe-, pontuou.

João garantiu, ainda, que está em “sintonia” com o presidente Adriano Galdino e com os demais parlamentares da base governista. -Não tenho dúvida que isso será resolvido. Eu tenho uma relação tranquila [com Adriano Galdino] sem problema nenhum-, finalizou.

    Compartilhe: