Hospital de Mamanguape será primeiro incorporado à PB Saúde, que começa a funcionar em dois meses

Hospital de Mamanguape será primeiro incorporado à PB Saúde, que começa a funcionar em dois meses

O Hospital Geral de Mamanguape será o primeiro incorporado ao novo modelo de gestão da Fundação PB Saúde. A previsão é que em dois meses a Fundação inicie suas atividades. Após a publicação da lei em Diário Oficial, será criado um CNPJ, o registro do Estatuto e incorporado patrimônio, no caso. Após isso, a entidade poderá realizar seu primeiro processo seletivo para contratação de pessoal.

 

O Projeto de Lei que autoriza a criação da Fundação PB Saúde foi aprovado nessa quarta-feira (12), na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB).

 

Até agosto de 2020, serão incorporados à PB Saúde os seguintes hospitais: Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena e Hospital Metropolitano Dom José Maira Pires, em João Pessoa; Complexo Hospitalar Regional Deputado Janduhy Carneiro e Maternidade Peregrino Filho, em Patos; Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes, em Campina Grande.

 

O secretário de Saúde da Paraíba, Geraldo Medeiros, pontua que a Fundação permitirá uma maior agilidade no atendimento à sociedade paraibana. -São 86% que necessitam de atendimento exclusivo do SUS. Este novo modelo gerencial permitirá que essas pessoas sejam melhor atendidas-, afirma. O secretário explica que a diferença entre o modelo de gestão própria e a Fundação é que o primeiro é lento, burocrático e tende a obedecer a prazos, trâmites e recursos. -Às vezes, demora de dez meses a um ano para consertar um aparelho, comprar medicamento e insumo. Com a Fundação, esses processos serão mais ágeis-, observa.

 

Geraldo Medeiros afirma ainda que a Fundação permitirá também o encerramento escalonado dos mais de 7.200 vínculos de codificados na Saúde. O novo modelo de gestão permitirá a contratação de funcionários e servidores por meio de concurso público e processo seletivo.

 

Sobre a questão de transparência, ele afirma que a secretaria estará sempre disponível para discutir a Fundação. Um relatório periódico também será feito para Conselhos de Saúde e órgãos de prestação de contas. -Nós temos um conselho fiscal, um conselho administrativo constituído de vários secretários de estado, de membros da sociedade civil, conselho municipal de saúde, conselho estadual de saúde e uma superintendência com técnicos capacitados para gerenciar uma entidade da complexidade da Fundação. O modelo democrático é isso, discutir, ouvir queixas, sugestões e adotar medidas-, destaca.

 

Leia mais no ClickPB

    Compartilhe: