Choro e grupos de WhatsApp: os bastidores das demissões na Globo

Choro e grupos de WhatsApp: os bastidores das demissões na Globo

No final da tarde de quarta, 6, quando atores e equipe começariam a gravar as cenas noturnas da novela Bom Sucesso, chegaram informações desencontradas de cortes nos corredores da Rede Globo. Naquele primeiro momento, não havia precisão de nomes nem sinais de áreas mais afetadas. Mas instalou-se clima de pânico e especulações. A atriz Ingrid Guimarães chorou pelos colegas.

Em qualquer empresa, cortes drásticos causam tristeza e medo. Na Globo ocorreu a mesma comoção, mas com uma diferença: os funcionários não podem dizer terem sido pegos de surpresa. Há meses está sendo desenhado um novo organograma de equipes e funções. Ontem, foram 150 cortes. Dentro do canal, especula-se que o número pode mais que dobrar nos próximos dias. Nesta quinta, 7, e sexta, 8, estão previstas reuniões entre a alta cúpula para falar do futuro. Uma lista chegou a circular em grupos de WhatsApp de atores, figurinistas e produtores, com os supostos nomes de quem teria sido cortado. Diretores ficaram possessos com a boataria.

Como forma de cortar custos, a Globo elaborou nos últimos meses uma estratégia de mudança no modelo de remuneração de parte de seus funcionários, passando de PJ para CLT. Nem todo mundo ficou satisfeito. Aqueles que topam migrar para PJ, ao renovar contratos, descobrem que o canal quer cortes de mais de 50% dos ganhos.  A chiadeira foi geral. Nem todo mundo aceita, caso de Otaviano Costa.

Com queda do mercado publicitário, a Globo tem enxugado sua folha de pagamento para investir na plataforma que considera ser o futuro: a Globo Play. O valor do anúncio de 30 segundos, assim como os merchans de programas como Mais Você e todas as faixas de novelas, caíram drasticamente nos últimos anos. Manter estruturas de custos pesadas, portanto, ficou fora de cogitação. Em consequência disso, atores, diretores e figurinistas de altíssimo quilate passarem a receber por obra, sem participação em lucros como ocorria no passado recente.

Leia mais na Veja

    Compartilhe: