Bolsonaro silencia sobre soltura de Lula

Bolsonaro silencia sobre soltura de Lula

O presidente Jair Bolsonaro optou nesta sexta-feira por manter o silêncio após a Justiça ter determinado que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fosse colocado em liberdade. Bolsonaro cumpria agenda em Goiânia e, após a expedição do alvará de soltura em benefício do petista, cancelou uma entrevista coletiva previamente agendada. Mais cedo, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, já havia dado a senha sobre o silêncio obsequioso do governo. “Ele [Bolsonaro] se manifestou antes da votação, em uma reunião de ministros, e disse que nós não iríamos tomar posição em relação ao julgamento, que o governo não iria se manifestar”, disse em entrevista à Rádio Gaúcha. Entre os filhos do presidente, tradicionalmente estridentes nas redes sociais, também nenhuma manifestação própria.




Até o início da noite desta sexta-feira, apenas o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) endossou a manifestação de um seguidor, que havia rechaçado a possibilidade de Lula rivalizar com o presidente Bolsonaro. “Lula não será adversário porque Lula está acabado politicamente. O povo precisa parar de dar a esse cachaceiro uma importância que ele não tem mais”, retuitou o filho 03.





No primeiro escalão bolsonarista, o ministro da Justiça e Segurança Pública Sergio Moro não comentou diretamente a liberdade do ex-presidente petista. O ex-juiz da Lava-Jato foi responsável pela condenação e decretação da prisão de Lula, ainda em 2018. Por nota, Moro apenas reiterou que defende a possibilidade de prisão de condenados após julgamentos em segunda instância e afirmou que o Congresso Nacional pode mudar a Constituição para permitir a prisão em segunda instância. “A decisão da maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) para aguardar o trânsito em julgado deve ser respeitada. O Congresso pode, de todo modo, alterar a Constituição ou a lei para permitir novamente a execução em segunda instância. (…) Juízes interpretam a lei e congressistas fazem a lei, cada um em sua competência”, declarou. Em seu primeiro discurso após deixar a sede da Polícia Federal em Curitiba, Lula atacou o ex-juiz, seu algoz na Lava-Jato, e o “lado pobre” de instituições responsáveis por investigação.





Com Lula em liberdade, a expectativa de parte do PT é, apesar do discurso de hoje, a de que o viés mais radical de Lula fique dentro da cadeia. Essa parcela do partido defende que o Lula livre modere sua atuação e entre “no jogo da conciliação”. De acordo com petistas ouvidos por VEJA, o ex-presidente quer reagrupar a esquerda e avançar para o que chamam de “centro democrático”. “Discurso tem”, disse um deles, que lembrou a situação econômica do país, com 13,5 milhões de pessoas na extrema miséria. Esses petistas acham que o ex-presidente terá papel fundamental para reorganizar “o tabuleiro político” já para o ano que vem e com os olhos para 2022. Um membro da direção do PT afirmou que o discurso de “mais à esquerda” e de “radicalização” deve ser “puramente retórico”. “Lula tem que usar o governo como exemplo do que não ser para o desenvolvimento social e democrático”, afirma o petista. Esse segmento do partido acredita que se Lula radicalizar, porém, abreviará seu período fora do xadrez.



Veja

    Compartilhe: