PDT e PT brigam palmo a palmo pelo apoio de Ricardo Coutinho

PDT e PT brigam palmo a palmo pelo apoio de Ricardo Coutinho

A senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente nacional do PT, está na Paraíba para discutir a busca de apoios para o ex-presidente Lula. Ela será recebida pelo governador Ricardo Coutinho (PSB) à tarde. Antes, fará uma rodada de conversas com dirigentes e deputados petistas. A pauta inclui a busca por uma aliança com o governador. A proposta é simples: o Partido dos Trabalhadores apoiará João Azevedo (PSB), com a contrapartida de que ele manifeste antecipadamente apoio a Lula. Não haverá mais exigência de espaço na majoritária, como antes se pretendia.

O movimento tenta estancar o avanço do pré-candidato do PDT, Ciro Gomes, na região em que Lula tem a melhor avaliação. Gleisi segue da Paraíba para Pernambuco, ainda nesta quinta-feira (12). No Estado vizinho fará a mesma discussão, desta vez com o governador Paulo Câmara (PSB). Lá, o PT tem uma candidata viável, que é Marília Arraes. A retirada da postulação dela não está descartada. O partido promete apoio, também, ao candidato socialista no Amazonas. A preocupação é não deixar a base aliada de Lula se esvaziar, o que inviabilizaria a apresentação de um plano B pela legenda.

Lula está preso na carceragem da Polícia Federal, em Curitiba. Mesmo que seja solto, terá dificuldades para manter a pré-candidatura, em decorrência da Lei Ficha Limpa. Como ele teve a condenação no caso do tríplex do Guarujá mantida pela 2ª instância, a 8ª T urma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), com sede em Porto Alegre, provavelmente não poderá ser candidato. O temor é que se a base petista for tratorada, o nome que for ungido por Lula para a disputa não terá espaço para crescimento. O PSB é visto como estratégico nesta articulação.

Antes de Gleisi, o percurso foi feito por Ciro Gomes. Ele se reuniu com o governador Ricardo Coutinho, com Paulo Câmara e também com o governador de São Paulo, Márcio França. Tenta a consolidação do grupo na base aliada. Vai trabalhar por isso, inclusive. Para isso, se apresenta como um postulante da esquerda, assim como Lula. A partir de agora, cada palmo de terra avançado tem que ser encarado como vitória.

Leia mais no Jornal da Paraíba

    Compartilhe: