Pai e filho são atingidos por descarga elétrica de raio enquanto filmavam chuva



 pedreiro Antônio Dias Lopes, de 51 anos, e o filho dele, de oito anos, foram atingidos pela descarga elétrica de um raio enquanto estavam dentro de casa filmando uma tempestade pela janela. O acidente aconteceu nesta sexta-feira (2), Dia de Finados, em uma chácara no distrito de Taquaruçu, zona rural de Palmas. Os dois tiveram apenas escoriações e estão com dores pelo corpo.

Lopes conta que foi passar o feriado em uma chácara com a família. Ele ficou surpreso com o volume de água e a força dos ventos durante a tempestade. Por isso, resolveu gravar um vídeo para mostrar aos colegas de obra.

Foi então que se se encostou à janela de metal, ao lado do filho, e começou a registrar a chuva com um celular. Poucos segundos depois foi surpreendido pela descarga elétrica.

As imagens gravadas pelo celular mostram que o raio caiu muito próximo dos dois. É possível ver o momento em que um clarão azul aparece no vídeo.

"Não cheguei a desmaiar. O impacto foi direto no celular, que foi cair longe. Fomos arremessados e meu filho ficou desesperado. Fiquei com os pés inchados e o corpo doendo. As pernas ficaram vermelhas como se tivesse jogado água quente", contou.

O pedreiro disse que ele e o filho estavam calçados e por isso acredita que tenham sobrevivido. "Eu estava de botina com solado de borracha, mas os pés ficaram como queimando. Ele [o filho] estava em uma sandália havaiana. Depois do raio não consegui nem levantar. Foi levantar e cair de novo. Os nervos ficaram travados."

Ele acredita que teve uma segunda chance na vida. "Com certeza foi um novo nascimento. Quem estava lá na hora viu o desespero. Mas o meu maior sofrimento foi ver o meu filho desesperado e não conseguir nem levantar", contou.

Cuidados durante tempestade
O Tocantins é um dos estados com maior densidade de descargas atmosféricas do país. Em janeiro deste ano, durante o período chuvoso, o estado registrou 785.860 mil raios, segundo estimativa do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Leia mais no G1

    Compartilhe: