João e Lucélio têm apoios de presidenciáveis da direita à esquerda

João e Lucélio têm apoios de presidenciáveis da direita à esquerda

Os debates eleitorais têm vindo carregados de discussões sobre ideologia. A discussão, porém, não tem efeito prático quando sai do campo das idéias para a política como ela é. Basta considerar a quebra da linha ideológica que daria coerência a candidaturas nacionais e locais. A Paraíba é uma prova de que os arranjos locais transformaram a noção de direita e esquerda apenas no lado para onde o motorista vai ligar a seta do carro. Os candidatos ao governo, no estado, atendendo interesses paroquiais possuem aliados de partidos que são suporte a presidenciáveis dos mais diversos espectros ideológicos.

O candidato a governador pelo PSB, João Azevêdo, tem 14 partidos na sua base de apoio. Deles há o apoio a quatro candidaturas à Presidência da República. Uma poderá ser retirada ainda, que é Manuela D’Ávila (PCdoB). Ela é cotada para ser vice de Fernando Haddad (PT), caso, efetivamente, a Justiça Eleitoral vete a candidatura Lula (PT). Lula, vale ressaltar, é apoiado pelo PSB de João. A chapa socialista tem ainda o apoio do PDT de Ciro Gomes. Até aí, todos estariam no desejado espectro de esquerda. Estariam não fosse a presença, na coligação, do Podemos de Álvaro Dias.

Achou estranho? Ainda tem a situação de Marina Silva (Rede). O partido dela fechou aliança com o PV de Lucélio Cartaxo nacionalmente, mas não na Paraíba. Por aqui, a sigla está na base de apoio de João Azevêdo. Com Lucélio, de um partido de esquerda, estão as agremiações que dão sustentação a uma figura de esquerda como João Goulart (PPL) a representantes de centro à direita como Geraldo Alckmin (PSDB), José Maria Eymael (DC) e ainda de extrema direita, no caso específico de Jair Bolsonaro (PSL). Uma confusão e tanto para ser administrada pelos eleitores.

A coerência ideológica não é garantida nem no MDB de José Maranhão, que conseguiu formar uma base de apoio pequena. O candidato ao governo conseguiu se alinhar apenas com PR e Patriotas. Só o segundo tem candidato a presidente. Trata-se do pouco conhecido Cabo Daciolo, de extrema direita. O nome do MDB para a disputa presidencial é o do banqueiro Henrique Meirelles. Já o Psol, de Tárcio Teixeira, que tem como candidato a presidente Guilherme Boulos. Tárcio tem ainda o PCB na base. O PSTU de Rama Dantas terá Verá Lúcia como candidata a Presidência da República.

Leia mais no Os debates eleitorais têm vindo carregados de discussões sobre ideologia. A discussão, porém, não tem efeito prático quando sai do campo das idéias para a política como ela é. Basta considerar a quebra da linha ideológica que daria coerência a candidaturas nacionais e locais. A Paraíba é uma prova de que os arranjos locais transformaram a noção de direita e esquerda apenas no lado para onde o motorista vai ligar a seta do carro. Os candidatos ao governo, no estado, atendendo interesses paroquiais possuem aliados de partidos que são suporte a presidenciáveis dos mais diversos espectros ideológicos.

O candidato a governador pelo PSB, João Azevêdo, tem 14 partidos na sua base de apoio. Deles há o apoio a quatro candidaturas à Presidência da República. Uma poderá ser retirada ainda, que é Manuela D’Ávila (PCdoB). Ela é cotada para ser vice de Fernando Haddad (PT), caso, efetivamente, a Justiça Eleitoral vete a candidatura Lula (PT). Lula, vale ressaltar, é apoiado pelo PSB de João. A chapa socialista tem ainda o apoio do PDT de Ciro Gomes. Até aí, todos estariam no desejado espectro de esquerda. Estariam não fosse a presença, na coligação, do Podemos de Álvaro Dias.

Achou estranho? Ainda tem a situação de Marina Silva (Rede). O partido dela fechou aliança com o PV de Lucélio Cartaxo nacionalmente, mas não na Paraíba. Por aqui, a sigla está na base de apoio de João Azevêdo. Com Lucélio, de um partido de esquerda, estão as agremiações que dão sustentação a uma figura de esquerda como João Goulart (PPL) a representantes de centro à direita como Geraldo Alckmin (PSDB), José Maria Eymael (DC) e ainda de extrema direita, no caso específico de Jair Bolsonaro (PSL). Uma confusão e tanto para ser administrada pelos eleitores.

A coerência ideológica não é garantida nem no MDB de José Maranhão, que conseguiu formar uma base de apoio pequena. O candidato ao governo conseguiu se alinhar apenas com PR e Patriotas. Só o segundo tem candidato a presidente. Trata-se do pouco conhecido Cabo Daciolo, de extrema direita. O nome do MDB para a disputa presidencial é o do banqueiro Henrique Meirelles. Já o Psol, de Tárcio Teixeira, que tem como candidato a presidente Guilherme Boulos. Tárcio tem ainda o PCB na base. O PSTU de Rama Dantas terá Verá Lúcia como candidata a Presidência da República.

Leia mais no Jornal da Paraíba

    Compartilhe: